HMG inaugura Loja Dona Angola, Bosque das Primaveras e Homenageia seu grande benemerente Amil Zákia

September 9, 2016

 

 

Ter coragem para mudar e fazer a diferença, saindo do trivial, é algo associado aos destemidos e grandes empreendedores, sendo encontrado como característica marcante na diretoria do Hospital Mahatma Gandhi (HMG).

Sexta-feira, dia 09 de setembro de 2016, é uma data que ficará marcada na sede do hospital, com a realização de três grandes eventos: Inauguração do Anfiteatro Amil Zákia, Loja Dona Angola e Bosque das Primaveras. A recepção foi comandada pelo Quarteto de Cordas da OSCA – Orquestra Sinfônica de Catanduva, com a benção do Bispo diocesano Dom Octacílio da Silva.

A diretoria, presidida pelo Dr. Luciano Pastor (afastado de suas funções devido período eleitoral), vice-presidente, Marcelo Fernandes,  empenhada em garantir formas de sustentabilidade para a instituição, de maneira inovadora construiu a Loja de Artesanatos Dona Angola, local destinado para venda dos produtos confeccionados pelo setor de Terapia Ocupacional. Em paralelo, buscando a harmonização e bem estar de seus pacientes, construiu o Bosque das Primaveras. E para selar o momento de posicionamento perante a sociedade, denominou o anfiteatro da instituição de Amil Eduardo Lima Zákia, benemérito que por muitos anos foi presidente do hospital e realizou importantes ações.
O vice-presidente do hospital, Marcelo Fernandes, aposta que as inovações e posicionamento da instituição perante a sociedade civil organizada são determinantes para a desassociar o HMG da imagem de manicômio e ‘depósito de gente’, como se ouviu durante anos.

“Eu vi uma frase, não me lembro o autor, que dizia que toda conquista começa com a decisão de tentar. Acredito que é importante mudar e que o ser humano está em processo constante de aprendizado e aprimoramento, assim a instituições também precisam acompanhar a evolução dos tempos”, analisa Marcelo.

 

AMIL ZÁKIA

            Amil Eduardo Lima Zákia, nasceu em 05/09/1947, casou-se com Sônia Maria Devitto Zákia, pai de Priscilla Devitto Zákia Hummel, Vanessa Devitto Zákia Miranda e Daniel Devitto Zákia, avô de Victor Zákia e Lara Zákia Miranda, administrador de empresas, aposentado pelo Banco do Brasil, iniciou sua história no Hospital Psiquiátrico Mahatma Gandhi em 1.986, Maçon desde abril de 1984 na loja Maçônica Dr. Carlos Reis nº 29. Amil passou por todos os cargos da diretoria e em 1992 se tornou presidente do hospital, cargo que ocupou até seu falecimento no final de 2010.
“Foi na gestão Amil Zákia, homem íntegro e visionário, que o HMG começou seu processo de modernização e humanização no tratamento psiquiátrico. Em seus 24 anos frente ao hospital, foi responsável por grandes conquistas, como construções, reformas e ampliações. O Centrinho, utilizado como local para as reuniões espíritas foi construído por Zákia, que apostou na associação do tratamento espírita ao tratamento médico”, relembra Marcelo Fernandes.

Marcelo Fernandes destaca que o equilíbrio financeiro e uma reserva que possibilitou a outros presidentes investirem ainda mais no hospital, foi mérito de Amil, que buscou e conseguiu em 2008, a gestão dos Postos de Saúde da Rede Municipal de Catanduva.

“Essa homenagem é o mínimo que nossa gestão poderia fazer para o saudoso Amil, que dedicou sua vida ao Hospital Mahatma Gandhi”, finaliza Marcelo.

 

DONA ANGOLA

A Loja de Artesanatos Dona Angola é uma renovação no que se refere à arte. O espaço totalmente rustico e ao mesmo tempo moderno, foi construído pelos próprios funcionários do Hospital Mahatma Gandhi. Cada detalhe foi atenciosamente pensado e feito sob medida. O espaço além de ser utilizado como loja, também será usado para realizar atividades com os pacientes.

A coordenadora do setor, Keler Cristiane da Silva, revela que o objetivo das terapias ocupacionais é buscar a reinserção social, melhorar a autoestima, propiciando ao paciente conhecer seu próprio valor, oferecendo ainda oficinas de produção que aperfeiçoam a técnica e trazem benefícios para a vida do paciente fora do hospital.

As oficinas procuram caminhar no sentido de permitir ao paciente estabelecer laços de cuidado consigo mesmo, além de trabalhar a afetividade com os demais pacientes.

“Durante as terapias, os pacientes se concentram e dedicam todo seu potencial. Descobrimos verdadeiros artistas, que hoje exercem o que aprenderam aqui, nas oficinas de T.O., e conseguem ajudar na renda familiar. Foi assim, diante de tantas obras primas, que a diretoria teve a ideia de fazer uma loja para vender e expor o trabalho realizado aqui no hospital”, detalha Keler.

Nas oficinas de profissionalização são ensinados, pelas terapeutas e auxiliares artesãs, trabalhos com mosaico, biscuit, tapeçaria, cabaça, potes de vidros, artesanatos em caixas de MDF, E.V.A, flor de meia, feltro, fuxico e muitos outros.

Os pacientes apreenderem uma atividade, estimulam a observação, iniciativa, paciência e responsabilidade, além da confiança em si. 

“Além de promover a ressocialização dos pacientes e até mesmo ensinar um ofício que poderá reinseri-lo junto à sociedade, conseguiremos angariar fundos para que o setor de terapia custeie suas despesas”, completa Marcelo Fernandes.

 

Todos os materiais confeccionados pelo setor, estão à venda na loja. O espaço é aberto ao público e aceitará encomendas para festas e eventos. Alguns trabalhos estão expostos pelo site: www.associacaomahatmagandhi.org.br. Informações 3524-9070.

 

BOSQUE DAS PRIMAVERAS

As árvores e as plantas, além de embelezar o ambiente, reduzem as ondas de calor e fazem sombra, são o alimento de muitos seres vivos, absorvem grandes quantidades de água das chuvas impedindo cheias, e milhares de outros benefícios. Buscando oferecer aos seus pacientes um lugar de paz, harmonia, tranquilidade e que promova o bem estar, nasceu o Bosque das Primaveras.

O local conta com mais de 70 espécies dentre plantas, árvores, flores e até fruta (pitaia). Todo o entorno é repleto de primaveras, além de aproximadamente 300 metros de pista de caminhada, possibilitando a atividade e a prática do Tai Chi Chuan com os pacientes.

“Nesse espaço conseguimos reunir elementos importantes para promover o bem estar do paciente. Aqui os pássaros cantam, a luz do sol bate com uma brisa fresta da manhã. É reconfortante estar aqui”, observa Marcelo.

Todas as mudas foram doadas pelo Viveiro de Mudas da Secretaria do Meio Ambiente da Prefeitura de Catanduva.

 

 


Telefone 3524-9070, www.associacaomahatmagandhi.org.br

 

Please reload

Recentes
Please reload

  • Facebook Social Icon

© Copyright Associação Mahatma Gandhi 2016 - Todos os direitos reservados